Pix: Novo meio de pagamentos instantâneos

Pix - Pagamento Instantâneo

O Banco Central lançou em 2020 um novo meio de pagamentos, o Pix. Ele começou pra valer no dia 16 de novembro e permite que sejam feitos transferências e pagamentos instantâneos, concluídos em até dez segundos, além de estar disponível 24 horas por dia, 7 dias da semana, ou seja, em todos os momentos.

Mas ainda existem muitas dúvidas sobre seu funcionamento.

Afinal, o que é Pix, na prática? Como ele funciona? E o que muda na vida dos brasileiros? Vai funcionar como um aplicativo?

Essas e outras perguntas serão respondidas nesse post sobre o novo meio de pagamento dos brasileiros. Leia com atenção e prepare-se para adotar o Pix na sua vida financeira. 

O que é Pix?

Em poucas palavras, o Pix é o sistema de pagamentos instantâneos do Banco Central (BC) que promete democratizar e agilizar as transações financeiras no Brasil.

Com o Pix, pagamentos e transferências são concluídos em alguns segundos e podem ser feitos a qualquer horário e dia, incluindo finais de semana. Além de poder transferir dinheiro para outras pessoas, é possível também fazer pagamentos a estabelecimentos, o pagamento de contas e até recolhimento de impostos e taxas de serviços, entre outras possibilidades.

Ele não é um software ou um aplicativo à parte, mas sim um sistema que é integrado a sua instituição (é necessário somente que ela ofereça esse meio de pagamento) para permitir pagamentos rápidos e sem burocracia

Pix e outros meios de pagamentos

Hoje, fazemos transferências entre contas bancárias de diferentes instituições através de TEDs e DOCs. Pagamentos de contas são feitos por boletos, transações físicas, por cartões e com dinheiro vivo.

No entanto, essas operações eletrônicas podem levar dias e muitas delas acabam custando caro. E o dinheiro vivo pode representar um risco maior tanto para o pagador quanto para o recebedor.

A novidade é que essas modalidades de pagamento deixarão de ser as únicas possibilidades do mercado: o Pix passa a ser uma alternativa, um meio adicional, para transferir e fazer pagamentos de forma rápida e barata. Além disso, as transações serão gratuitas para pessoa físicas e, ao que tudo indica, muito mais baratas para empresas, já que a ideia é reduzir as tarifas praticadas atualmente na rede bancária.

A diferença entre os meios que já existem e o Pix é a rapidez e a disponibilidade deste meio de pagamento: enquanto hoje existem restrições de dias, horários e quantias para enviar através de TED e DOC e realizar pagamentos de contas, o Pix vai permitir que pessoas e empresas paguem, transfiram e recebam dinheiro em questão de segundos, com disponibilidade “full-time”.

Como funciona o Pix?

O Pix funciona com disponibilidade “full-time” em outras palavras, as transações serão realizadas em tempo real. Elas acontecerão sem intermediação de terceiros: o dinheiro sai de uma conta e vai diretamente para a conta de quem receberá os valores.

Todas as transações serão realizadas online, por meio dos aplicativos e sistemas de bancos, carteiras digitais e fintechs inscritas.

Por enquanto, estes são os serviços confirmados, segundo o BC:

  • Transferências instantâneas entre contas de pessoas e empresas (gratuitas para pessoas físicas)
  • Pagamento de contas, faturas e boletos
  • Recolhimento de impostos e taxas de serviços (como emissão de passaportes)
  • Pagamento de compras online e em estabelecimentos físicos
  • Saques na rede varejista.

Por que o Pix foi criado?

O objetivo da criação da Pix é acelerar a digitalização dos pagamentos no país, reduzir custos e melhorar a competitividade dos serviços financeiros.

Estas são algumas das promessas do Pix:

  • Digitalizar os pagamentos entre pessoas, empresas e governo
  • Permitir transações em tempo real sem intermediários, mesmo entre contas de diferentes instituições
  • Acabar com o tempo de espera até o pagamento ou transferência “cair” na conta
  • Reduzir ou zerar os custos de transações como TEDs e DOCs, incentivando a rede bancária a fazer o mesmo
  • Facilitar o pagamento de compras, contas, faturas, boletos e impostos
  • Substituir outros meios de pagamento menos práticos como cartão de débito e dinheiro em espécie nas compras do dia a dia
  • Aumentar o potencial de inclusão financeira da população.

Com uma única plataforma usada por todas as instituições, a tendência é que o mercado fique mais competitivo e que as empresas ofereçam serviços financeiros cada vez melhores.

Como fazer transações com o Pix?

O Banco Central regulamentou que as transações do Pix poderão ser feitas de diferentes formas:

  • Informando uma chave do Pix, que o usuário poderá adicionar a uma conta que já possui; essa chave pode ser o número de celular, e-mail, CPF ou CNPJ – será necessário informar somente um destes;
  • Informando os dados bancários de quem vai receber o pagamento, como se faz uma TED e DOC hoje – nome completo, CPF, número da instituição, agência e conta;
  • Ou também através da leitura de QR Codes.

Chaves do Pix

As chaves do Pix são a informação que representam o endereço da sua conta no Pix. Podem ser adicionados quatro tipos de chave Pix a uma conta: CPF ou CNPJ, e-mail, número de telefone celular ou a chamada chave aleatória. Para enviar um Pix, basta informar uma das chaves do recebedor. 

Registrar uma chave do Pix não é obrigatório, mas é recomendado para ter a melhor experiência com esse meio de pagamento.

Não é possível, entretanto, adicionar uma mesma chave em mais de uma conta. Por exemplo: se você adicionar seu CPF como chave do Pix em uma conta, não poderá adicioná-lo também em outra.

QR Codes do Pix

Neste caso, o usuário ou estabelecimento que receberá o valor apresentará um QR Code, que poderá ser lido por qualquer tipo de smartphone.

Segundo o BC, cada tipo de QR Code terá um uso diferente:

  • O QR Code estático poderá ser usado em múltiplas transações e permitirá que seja definido um valor para um produto ou um valor pelo pagador. Ele poderá ser usado para transferências entre duas pessoas, por exemplo.
  • O QR Code dinâmico é mais adequado para pagamento de compras, já que poderá apresentar informações diferentes a cada transação e permitirá que sejam incluídas informações adicionais sobre a transação.

As chaves do Pix também poderão ser compartilhadas com outros usuários através de um QR Code, gerado pelo app da instituição.

Prepare-se para usar o Pix com o Myheaven

O Pix será uma revolução dos pagamentos no país, e o Myheaven não poderia ficar de fora desse grande evento.

Será mais uma facilidade para agilizar a gestão financeira do seu negócio, além de todos os recursos que já oferecemos.

Em breve, teremos muitas novidades. Aguarde…

Entendeu o que é o Pix e como ele vai mudar nossa forma de pagar, transferir e receber dinheiro?